A Divina Comédia de Dante Alighieri

Uma viajem pelo inferno e o purgatório pela visão de Dante Alighieri.

Desde os 10 anos eu pegava na biblioteca da minha avó o livro de Dante  Alighieri para olhar os incríveis desenhos de Gustavo Dorê. Como adorava rock, os demônios e as ilustrações das penas capitais chamavam mais a minha atenção. Não que o inferno seja mais interessante, os anjos eram legais também, mas os raios, o fogo e os tridentes combinavam mais com rock pesado (rss). Estou colocandoDante aqui todas as ilustrações com o seu texto original, traduzido por José Pedro Xavier Pinheiro para editora Calçadense, em 1956. Chamo a atenção para os desenhos a traço em xilogravura de Gustavo Dorê. A luz e a sombra de seus desenhos são inacreditáveis. A esta matéria, no futuro, será acrescentado a história e a vida destes dois artistas impressionantes. Vou colocar aqui todos os textos de narração, e os 139 desenhos  em sua ordem original. No futuro colocarei todo poema épico.

Vou postar todos os desenhos na ordem do livro que retrata a passagem de Virgílio pelo Inferno, Purgatório e o Paraíso. Esta é uma matéria dedicada à lembrança da minha avó Morella Viola Netto de Freitas, que amava pintura, desenho e especialmente este livro. Quando eu fazia algo errado, ou tirava notas baixas ela  citava na mesma hora: ” Ai de vós ó condenados, deixai aqui toda esperança” . 

Acompanhe Dante e Virgílio em sua trajetória e boa viajem.

Michelino_DanteAndHisPoem

A exploração de Dante do mundo espiritual mostrado em um exemplar da Divina Comédia: ao lado da entrada para o inferno, os sete terraços do Monte Purgatório e a cidade de Florença, com as esferas do Céu acima. Afresco de Michelino.

A Divina Comedia de Dante Alighieri

O poema chama-se “Comédia” não por ser engraçado mas porque termina bem (no Paraíso). Era esse o sentido original da palavra Comédia, em contraste com a Tragédia, que terminava, em princípio, mal para os personagens. Não há registro da data exata em que foi escrita, mas as opiniões mais reconhecidas asseguram que o Inferno pode ter sido composto entre 1304 e 1307-1308, o Purgatório de 1307-1308 a 1313-1314 e por último o Paraíso de 1313-1314 a 1321 (esta última data fecha com a morte de Dante). Dante escreveu a “Comédia” no seu dialeto local, ao criar um poema de estrutura épica e com propósitos filosóficos, Dante demonstrava que a língua toscana (muito aproximada do que hoje é conhecido como língua italiana, ou língua vulgar, em oposição ao latim, que se considerava como a língua apropriada para discursos mais sérios) era adequada para o mais elevado tipo de expressão, ao mesmo tempo que estabelecia o toscano como dialecto padrão para o italiano.

O início da jornada

Dante, perdido numa selva escura, erra nela tôda a noite. Saindo ao amanhecer, começa a subir por uma colina, quando lhe atravessam a passagem uma pantera, um leão e uma lôba, que o repelem para a selva. Aparece-lhe então a imagem de Virgílio, que o reanima e se oferece a tirá-lo de lá, fazendo-o passar pelo Inferno e pelo Purgatório. Beatriz, depois,o guiará ao Paraiso. Dante o segue.

DV-1

De nossa vida em meio da jornada, achei-me numa selva tenebrosa.

DV2

Não se afastava de ante mim a fera....

DV3

Que me investisse então cuido inquieto; Com fome e raiva atroz fronte levanta; Tremer parece o ar ao seu conspecto.

DV4

Respondeu, do meu pranto condoído; Te convém outra rota de hora avante?

DV5

Move-se o Vate então, após o sigo.

Entre e continue a viagem pelo inferno de Dante:

Depois da invocação as Musas, Dante considerando a sua fraqueza, duvida de aventurar-se na viajem. Dizendo-lhe, porém, Virgílio que era Beatriz quem mandava, e que, havia quem se interessava pela sua salvação, determina-se  seguí-lo e entra com o seu guia no difícil caminho.

DC6

Fóra-se o dia; e o ar se enevoando, Aos animais, que vivem sôbre a terra, As fadigas tolhia;...

DV7

Sou Beatriz, que envia-te ao que digo, De lugar venho a que voltar desejo; Amor conduz-me e faz-me instar contigo.

Chegam os poetas à porta do inferno, na qual estão escritas terríveis palavras. Entram no vestíbulo encontram o caminho, chegam ao Aqueronte, onde está o barqueiro infernal, Caron, que passa as almas dos danados a oura margem, para o suplício. Treme a terra, lampeja uma luz e Dante cai sem sentidos.

DV8

Entre o vestíbulo e o 1 °Círculo, está o rio Aqueronte, no qual se encontra Caronte, o barqueiro que faz a travessia das almas. Porém Dante é muito pesado para fazer a travessia no barco de Caronte, pelo fato de ser vivo. Então Caronte os envia para outro barco. É através deste barco que Virgílio e Dante atravessam o rio. Um grito ecoa a sua frente...

DV9

Deixai, ó vós que entrar, toda esperança. Eis a nós em barca se acercando. De cás coberto um velho, "Ó condenados, Ai de vós! " alto grita levantando.

Dante é despertado por um trovão e acha-se na orla do primeiro círculo. Entra depois no Limbo, onde estão os que não foram batizados, crianças e adultos. Mais adiante num recinto luminoso, vê os sábios da antigüidade, que, embora não cristãos, viveram virtuosamente. Os dois poetas descem depois ao segundo círculo.

DV 10A

Assim que Adam a prole pervertida. Da praia um após o outro se enviavam.

DV 10

A pena é desesperança, desejos, que pra sempre se frustraram.

No recinto luminoso estão: Homero, príncipe da poesia épica. Electra, mãe de Dardano, fundador de Tróia. Enéias, principe Troiano. Heitor, filho de Priano, rei de Tróia. Pentesiléia, rainha das amazonas.

DV 11

O limbo é o local onde as almas que não puderam escolher a Cristo, mas escolheram a virtude, vivem a vida que imaginaram ter após a morte. Não têm a esperança de ir ao céu pois não tiveram fé em Cristo. Aqui também ficam os não batizados e aqueles que nasceram antes de Cristo, como Virgílio. Na mitologia clássica, o Limbo não fica no inferno, mas suspenso entre o céu e o mundo dos mortos. A bela escola assim vi reunida. Do mestre Agrério do sublime canto. Águia em seu vôo além dos mais erguida.

No ingresso do segundo círculo está Minos, que julga as almas e designa-lhes a pena. No repleno dêsse círculo estão os luxuriosos, que são continua lente arrebatados e atormentados por um horrível turbilhão. Aqui Dante encontra Francisca de Rimini, que lhe narra a história do seu amor infeliz.

DV 12

Lá estava Minos e feroz rangia....

DC 16

No segundo círculo começa o Inferno propriamente dito. Nesse círculo ficam os luxuriosos que sofrem com uma tempestade de vento. Lá ele encontra Francesca de Rimini e seu amante, que é o seu cunhado.Da tormenta o furor, nunca abatido, perpétuamente as almas torce, agita.

DV 14

Lá ele encontra Francesca de Rimini e seu amante, que é o seu cunhado. Dois, que ali vêm falar muito desejo. Ao vento ser parece tão ligeiro.

DC 17

Amor nos igualou da morte o efeito. A quem no-la causou, Caína esperas.

No terceiro círculo estão os gulosos, cuja pena consiste em ficarem prostrados debaixo de uma forte chuva de granizo, água e neve, e ser dilacerados pelas unhas e dentes de Cérbero. Entre os condenados Dante encontra’ Ciacco, florentino, que fala com Dante acêrca das discórdias da pátria comum.

DC 19

Em ler não fomos nesse dia avante.

DC 20

E tombei como tomba corpo morto.

DC 21

No terceiro círculo os gulosos são flagelados por uma chuva putrefacta e são vigiados pelo mitológico cão de três cabeças, Cérbero. Meu guia, as mãos abrindo, se prepara. Enche-as de terra, e ás guelas devorantes. Lança da fera essa iguaria amara.

Plutão, que está de guarda à entrada do quarto círculo, tenta amedrontar a Dante com palavras irosas. Mas Virgílio o faz calar-se, e conduz o discípulo a ver a pena dos pródigos e dos avarentos, que são condenados a rolar com os peitos grandes pesos e trocarem-se injúrias. Os Poetas discorrem sôbre a Fortuna e, depois, descem ao quinto círculo e vão margeando o Estiges, onde estão mergulhados os irascíveis e os acidiosos.

DC 22

No terceiro círculo os gulosos são flagelados por uma chuva putrefactaEm tua pátria responde, que tão plena já é de inveja, que transborda o saco. Existência gozei leda e serena.

DC 23

Lhe grita cala-te, o lobo abominoso! Em ti consome êsse furor injusto.

Flegias corre com a sua barca para os dois Poetas serem conduzidos, passando a lagoa, à cidade de Dite. No trajeto encontram a Filipe Argenti, florentino, que discute com Dante. Chegando às portas de Dite, os demônios não o querem deixar entrar. Virgílio, porém, diz a Dante que não lhe falte a coragem, pois vencerão a prova e que não há de estar longe quem os socorra.

DC 24

No quarto círculo desfilam os avarentos empurrando pesos enormes. Todo o ouro,que as entranhas conteriam. Da terra, não pudera dar repouso. A um de dos que em fadiga cruciam.

DC 25

As almas, filho meu que ora está vendo.

Dante pergunta a Virgílio se havia percorrido outra vez o Inferno. Virgílio responde que já percorreu todo o Inferno e narra como e quando. Na tôrre de Dite se apresentam, no entanto, as três Fúrias e depois Medusa, que ameaçam a Dante. Virgílio, porém, o defende. Chega um anjo do Céu que abre aos Poetas as portas da cidade rebelde.

DC 28

O lago foi cortando a antiga proa. Com sulcos mais que antes profundados.

DC 29

Para atravessar o pântano eles apanham boleia do demônio Etagias, este os deixa na porta da cidade de Dite. Essa cidade tem muralhas de fogo e está na parte mais funda do Inferno, onde as culpas são muito mais fortes e as punições também.Mas por Virgílio, que o repele presto. Com teus iguais vai, cão, te unir!

Caminhando os Poetas entre as arcadas, onde estão penando as almas dos heresiarcas, Dante manifesta a Virgílio o desejo de ver a gente nelas sepultada e de falar a alguém. Nisto ouve uma voz chamá-lo. É Farinata degli Uberti. Enquanto o Poeta conversa com êle é interrompido por Cavalcante Cavalcanti, que lhe indaga por seu filho Guido. Continua Dante o começado discurso com Farinata, que lhe prediz obscuramente o exílio.

DC31

Não pude o que propôs ouvir.

DC 31

Os demônios não querem que Dante nem Virgílio entrem, pois Dante não está morto. Então aparecem as três Fúrias, e com elas aparece a Medusa, que petrifica quem a olhe. Um enviado celeste chega e abre as portas de Dite.

CONTINUA….

9 Respostas to “A Divina Comédia de Dante Alighieri”

  1. MARIA THEREZA ZAMPIERI Says:

    FILHO QUERIDO, É maravilhoso chegar mais perto da DIVINA COMÉDIA RELATADA E COM ILUTRACÕES. Filho teu trabalho é que esta DIVINO.

    Parabens.
    Te amo.
    Meu João Paulo.

  2. Lídice Garcia Chaves Says:

    Prezado João Paulo,

    Mãe é mãe….imagino com que emoção ela escreveu o texto acima.
    Mas acho que ela tem razão. Vc. conseguiu publicar uma Divina Comédia express – saí do zero e passei a conhecer a espinha dorsal da Comédia. Aprendi. Muito obrigada pela sua iniciativa.
    E que Bonsai tem a ver com a Divina?
    Lídice
    santos/sp

  3. Acho que a procura de um caminho, de uma iluminação. Estamos sempre procurando, tentando se aproximar do nosso Deus exterior e interior. Acho que ele sempre está na natureza. Beijo

  4. quero chegar ao 7 ciclo infernal…

  5. Leve-nos ao 7º ciclo infernal! Eu preciso “ver”

  6. Vou colocar, estou um pouco sem tempo de escanear. Vou colocar ! abraço

  7. André Fortes Says:

    Otima publicação! Realmente nos dá mais “luz” para vislumbrarmos melhor a obra de Dante, e consequentemente, da essência humana.

  8. Adorei! Uma narrativa que oferece um conjunto literário maravilhoso. Parabéns e se me permite também a Dna. Morella Viola Netto de Freitas, que também nos presenteia.

  9. Obrigado lêda ! abração

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: