Sergio Batalini – Entrevista

22

Vou recomeçar as entrevistas com Bonsaístas do Brasil, com trabalhos que chamaram muito a minha atenção nos últimos meses. As formas naturais, a modelagem aprimorada, com muita harmonia, são algumas das qualidades das árvores de Sergio Batalini, um apaixonado por bonsai que mora na cidade de Teodoro Sampaio no Pontal do Paranapanema, no Estado de São Paulo.

27

1 – Quando você se interessou e começou a se dedicar à arte do bonsai?

Moro numa cidade pequena do interior do estado de São Paulo, Teodoro Sampaio, precisamente no Pontal do Paranapanema, cercada por rios e matas e sempre estive em contato direto com a natureza e seus milagres. Durante a juventude, fiz algumas incursões pelas artes plásticas, entre elas: óleo sobre tela, escultura em argila e entalhe em madeira, expondo trabalhos nos anos 90. Além das artes plásticas, da música e da natureza, outro assunto que me interessa é a cultura oriental, e foi atraves dela que descobri a nobre arte Bonsai, unindo natureza, artes e a filosofia oriental.  Por volta de 1998, 1999, comecei a cultivar algumas plantas em vasos pequenos, mas não consegui evoluir longe dos professores e viveiros. Com a internet passei a pesquisar e estudar muito, tendo acesso a fotos, artigos, livros, e fóruns. Dentre eles destaco o Atelier do Bonsai, do Sr. Mario Alberto Leal, que foi minha escola por mais de 5 anos, possibilitando-me aprender e entender a arte do Bonsai.

9

2 – Quais espécies você mais gosta de trabalhar?

Gosto de trabalhar com espécies adaptadas e fáceis de encontrar na minha região, tais como: jabuticaba, angico, acerola, pitanga, buxinho, eugenia, azaléia, primavera, resedá e cambuí entre outras. Estou sempre em busca de espécies nativas que ainda não cultivo, para diversificar e aprimorar meus conhecimentos. Das que cultivo, minhas preferidas são a brasileiríssima jabuticaba, a caliandra e o fícus. Acho muito importante o cultivo e divulgação das nossas espécies nativas, até mesmo para darmos inicio a criação da nossa própria escola brasileira de bonsai e popularizar a arte.

1

3 – Que espécie você gostaria de trabalhar na sua região, mas as circunstancias de clima e adaptação não permitem?

Por estar numa região muito quente, o cultivo de algumas espécies se torna inviável, entre elas alguns áceres e pinheiros. Mas não sinto falta, pois a quantidade de espécies disponíveis é enorme e variada.

2

4 – Dos seus trabalhos qual você destaca com carinho especial? Me fale um pouco sobre ele.
Tenho um fícus a 19 anos, foi a primeira planta que cultivei com a intenção de formar um bonsai. Naquela época, sem conhecimento das técnicas e estilos, fiz muitos procedimentos equivocados, muitas podas e cuidados errados por anos, e mesmo assim ele sobreviveu e hoje é a planta mais antiga que tenho no meu viveiro. Nunca será um bonsai de exposição, mas com certeza é um companheiro para toda a vida.

11

5 – Você segue alguma escola ou estilo nas suas criações?

Penso em uma forma mais livre para compor meus bonsai. Depois de estudar os estilos e escolas com afinco e dedicação por 10 anos, acabei por me libertar do excesso de regras e busquei o prazer de cultivar, permitindo que a própria árvore encontre seu caminho. Percebo que nossa cultura mais descontraída e despojada, inerente aos latinos dos trópicos, choca-se com a rígida cultura oriental e acaba por desestimular os iniciantes. Gosto da Escola Neoclássica que começou a ser praticada a partir do século XIX e é uma síntese das escolas japonesas clássicas de volume e linear, e combina os elementos. A maioria das árvores que vemos no bonsai atualmente pertencem a essa escola. São arvores que tem o tachiagari limpo, sem galhos em seu primeiro terço ou mais, e logo depois uma massa verde, que pode ser composto ou um só volume, dois ou três, ou até mais, buscando a triangulação .

12

6 – Você gosta mais de um estilo de bonsai em particular? Qual?

Sem duvida o estilo Kengai (cascata) me atrai muito. Vejo nele um estilo que nos leva a reverenciar a planta para poder observá-la por inteiro. Da mesma forma, a planta nos reverencia e nos aceita. Outro estilo que me chama a atenção é o literati, por sua leveza e delicadeza. Onde o menos é mais. Muita vezes sendo visto como um estilo fácil pelos iniciantes, é um dos mais intrincados e difíceis, justamente por nos forçar a trabalhar com o mínimo possível. Essa ausência de possibilidades contraria nossa visão ocidental de quanto mais melhor, provocando a ruptura de alguns traços culturais e levando ao aprimoramento espiritual do bonsaista .

Kengai

25

Literati

3

7 – O que a arte do Bonsai agregou na sua vida?

Sou comerciante a 30 anos e vivo o estresse do dia a dia em contato com clientes, bancos, fiscais, empregados e toda sorte de incertezas e decisões a serem tomadas. Com a descoberta da nobre arte do Bonsai, encontrei uma maneira de juntar num mesmo lugar a minha família, as artes e o contato com a natureza, e relaxar num ambiente agradável e cheio de harmonia. O exercício constante da paciência, da observação e de esperar o momento certo me ajuda a administrar minha vida e minha empresa. O compromisso diário com a rega, a adubação e o controle de pragas, obedecendo os ciclos de cada espécie e as estações do ano me mostra que o tempo passa e não podemos pular etapas ou permitir que se perca o momento de agir.

26

8

8 – Você acha que um Bonsai deve seguir uma ordem rígida de técnicas e estética, ou deve seguir uma forma mais livre e artística?

Primeiro é preciso aprender o máximo possível, e, garanto que esse aprendizado não tem fim, sendo uma constante na vida de todo bonsaista. Estudar, observar, experimentar e praticar são exercícios diários em busca do conhecimento. Depois será possível caminhar com liberdade sem, no entanto, nos afastar dos princípios básicos de beleza e harmonia contidos nos estilos. A nossa cultura ocidental nos coloca constantemente em conflito com os padrões orientais de disciplina, obediência e rigidez, sendo preciso transpor esta barreira para podermos ingressar no mundo do bonsai.

5

24

9 – Que bonsaista (um ou mais) chama a sua atenção, hoje, no cenário mundial?

É difícil citar nomes, mas entre os meus preferidos estão Masahiro Kimura, Robert Steven, Walter Pall e os brasileiros Carlos Tramujas e Marcelo Martins. Recentemente perdemos nossa grande referencia nacional, Osamu Hidaka.

6

10 – Hoje é mais fácil começar a se dedicar a criação de bonsais?  Quais eram as maiores dificuldades no inicio?

Sem dúvida, hoje é muito mais fácil. Com o surgimento da internet, todas as informações sobre todos os assuntos passaram a ser compartilhados por todos, popularizando e desmistificando muitos temas. A 20 ou 30 anos atrás, bonsai era um mistério restrito a poucos iniciados pertencentes às colônias japonesas. Não existia um mercado no Brasil para vasos, ferramentas, insumos, mudas e pré-bonsais, principalmente para pessoas que, como eu, mora longe das grandes cidades. Hoje já dispomos de lojas virtuais honestas e com grande variedade de produtos e plantas, temos também ótimos ceramistas e a possibilidade de freqüentar cursos e encontros com demonstradores brasileiros e internacionais.

7

11 – Qual a sua percepção hoje da arte bonsai no Brasil? Você acha que teve um crescimento? Há maior projeção dos nossos artistas no cenário mundial?

Vejo com alegria a disseminação da arte do Bonsai no Brasil e acredito no crescimento acentuado do número de praticantes. Nos fóruns da internet notamos muitas pessoas perguntando, experimentando, observando, vendo fotos e iniciando o cultivo, maravilhadas com a possibilidade de ter árvores em vasos. Acredito que o Brasil conquistará seu lugar no mundo do bonsai, posto que temos uma grande quantidade de espécies a serem descobertas e trabalhadas e grandes bonsaistas despontando no cenário mundial.

15

12 – Que conselhos você poderia dar para quem esta começando a se dedicar a arte do Bonsai?

Estudar, observar, experimentar e praticar. Além, claro, da paciência. A perseverança trará os resultados. Acredito também que devemos acabar com o mito de que bonsai é um hobby caro. É possível praticar a arte com ferramentas improvisadas e espécies comuns, como é o meu caso. O segredo é a dedicação e não os alicates importados ou vasos caríssimos.

17

13 – Quais atributos o bonsaista deve ter para conseguir um bom resultado nos seus trabalhos?

Além do conhecimento teórico sobre bonsai e botânica, eu diria que é fundamental buscar o equilíbrio pessoal, para poder contemplar cada etapa do processo e ser íntimo com seu bonsai.

21
14 – Quais os benefícios físicos e mentais que podemos encontrar nos dedicando à arte do Bonsai?

O contato direto com a natureza nos faz muitíssimo bem, ao corpo e ao espírito. Estar ao ar livre, sob o sol, contemplado os frutos e flores, desperta nossos sentidos e nos faz ver com novos olhos o nosso planeta. A prática da arte do Bonsai aguça a visão e a percepção, nos tornando mais atentos aos detalhes e mais pacientes no dia a dia. O contato com a terra ajuda a descarregar as energias negativas acumuladas e um dos grandes benefícios é a paz interior encontrada quando estamos em meio aos bonsais.

20

15 – Diga uma frase, um pensamento, que você ache que sintetiza nossa arte?

Eu trabalho o bonsai e o bonsai trabalha em mim. Juntos evoluímos.

18

Entre na galeria e veja mais trabalhos de Sergio Batalini:

6 Respostas to “Sergio Batalini – Entrevista”

  1. otacilio@me.com Says:

    Parabéns Sérgio!!! Muito legal!!!

  2. Silvino scolaro Says:

    Maravilhosos……Meu marido cultiva Bonsai.Tem uns 800 mais ou menos.

  3. Mais uma grande entrevista, muito bom ver sua arte e saber o que pensa um bonsaista talentoso como sr.Sergio Batalini, sua simplicidade e liberdade de criar sem seguir regras, gosto desta maneira de ver o bonsai,parabéns a você Paulo Neto pela dedicação,acredito que o futuro do bonsai no BRASIL passa por pessoas como você.

  4. erotildes vittoria Says:

    lindo, lindo, lindo

  5. Por favor me mande fotos dos bonsais dele. paulonetto.diretor@gmail.com

  6. Obrigado a todos pelo incentivo…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: