Arquivo para Concurso União Bonsai

Bonsai e Suiseki com Humberto Dellatorre

Posted in Bonsai - Bonsaistas do Brasil, Bonsai - Entrevistas no Brasil, Bonsai no Brasil with tags , , , on 15 d e maio d e 2020 by aidobonsai

Meu amigo Humberto Dellatorre é um artista que caminha entre duas artes, se dedica ao cultivo e criação de Bonsais e está sempre procurando novas montanhas, montanhas que surgem pela sua visão, quando ele encontra rochas, minérios, pedras que vão se transformar em lindos Suisekis. Trago aqui sua entrevista contando um pouco da sua trajetória, muito obrigado Humberto por ter você aqui no meu blog !

1 –Humberto quando você se interessou e começou a se dedicar a arte do bonsai?

Foi em 2009 quando ganhei um bonsai de presente da minha esposa, um falso Cipreste anão, e que algumas semanas depois secou todo. Apesar de pesquisar sobre a espécie, o pouco que encontrei na internet na época já que era um assunto novo para min e segui a risca o que estava descrito no manual que acompanhava a árvore, aquilo me deixou bem chateado e curioso. Eu nunca tinha me interessado por plantas mais quando comecei a pesquisar e fui vendo tudo o que o cultivo das pequenas árvores em vasos englobava, fiquei bem interessado e comecei a adquirir materiais e insumos em sites especializados além de dedicar alguns momentos do dia para pesquisar e estudar sobre o assunto. 

 

2 – Quais espécies você mais gosta de trabalhar?

Ao longo destes anos eu já tive e tenho várias espécies que deram certo, e outras que não tive sucesso por falta de experiência na época ou ate mesmo por conta do clima. Atualmente me dedico mais as espécies tropicais em especial o nosso Pithecolobium, Caliandras e suas variações entre outras tropicais, além de ter algumas coníferas na minha coleção.

3 – Que espécie você gostaria de trabalhar na sua região, mas as circunstancias de clima  e adaptação não permitem?

Já tentei algumas variações da sakura mais não tive sucesso e a piracanta também não me dei bem.

Ligustrum

4 – Dos seus trabalhos qual você destaca com carinho especial. Me fale um pouco sobre ele.

Isso e complicado pois sou apenas um iniciante nessa arte, e meus bonsais como um todo ainda estão em formação, tenho algumas preferidas que eu acabo me dedicando mais em um universo de quase 200 plantas e projetos que tenho aqui em casa cada uma com um desafio e particularidade que vão se aperfeiçoando com tempo, estudo e paciência.

Ligustrum em 2 etapas

5 – Você segue alguma escola ou estilo nas suas criações?

No inicio estudava o tradicional dentro das premissas e convenções que estavam nos livros, em 2017 comecei a me interessar mais pelo bonsai artístico e naturalista, e em 2018 comecei efetivamente a me dedicar a esta vertente dentro do bonsai que é defendida por muitos artistas do Brasil e América Latina, mais nem por isso abandonei minhas árvores já iniciadas ou mudei seus projetos o que eu vou conseguindo com novos materiais vou tentando trabalhar, mais fora da estética convencional com uma pegada mais artística e tropical.

6 – Você gosta mais de um estilo de bonsai em particular? Qual?

Hoje tento me desvencilhar de estilos pré-definidos tentando sair do óbvio, mais gosto muito do Kengai e Han-kengai.

Caliandra Espinosa estilo Han Kengai.

Pithecolobium Kengai

7 – O que a arte do Bonsai agregou na sua vida?

Além de um hobby, me ajuda muito a ter foco, pois tenho problemas com isto e me ajuda e ajudou muito a manter a cabeça no lugar para superar tempos e situações difíceis, além de ser um grande exercício de paciência e disciplina.

Caliandra Brevipes
Fotografia Ronald Marques

8- No seu caminho da cultura oriental o que chegou primeiro a paixão pelo bonsai ou pelo suiseki?

Foi pelo bonsai, acho que o suiseki foi consequência do caminho na arte assim como outras artes que são ferramentas para o bonsai e sua composição e acompanhamento.

Alguns dos Suisekis da coleção de Humberto Dellatorre.

9- O que a arte do bonsai e do suiseki tem em comum?

Na minha opinião tem muitas coisas em comum, elas vão além da estética e do desafio de prender a atenção e gerar reações em quem olha, até o estudo profundo de técnicas estéticas e trabalhos manuais. São artes que interagem e se completam além de muito complexas o que exige do praticante aprofundamento em diversos assuntos tanto de exatas quanto de humanas.

10- Qual a maior dificuldade quando se começa a arte do Suiseki?

A maior dificuldade e quebrar as amarras da imaginação e se permitir enxergar paisagens, animais e pessoas em singelos pedaços de rochas.

11- As duas artes podem se complementar ?

Podem sim ajudando ao observador a viajar dentro daquela composição e se sentir imerso na mensagem que a imagem da composição quer transmitir. Eu particularmente gosto muito de utilizar o suiseki como acompanhamento do bonsai nas exposições.

12- Dos seus suisekis você pode nomear um ou mais favoritos e falar porque?

O que torna o suiseki fantástico e a historia por trás da rocha, onde foi coletada e a imagem que ela proporciona, Um dos meus favoritos e o que chamo de ” O Dedo de Deus” e uma basalto que coletei em uma cachoeira em Itaguai/RJ juntamente com meu amigo Roosevelt Freire essa rocha tem um desenho que se parece muito com a montanha com mesmo nome “Dedo de Deus” em Teresópolis/RJ, quanto bati o olho dentro da água e vi a pedra peguei na hora e falei “Olha Roosevelt o dedo de deus”.

13- Hoje a arte do suiseki está crescendo no Brasil ?

Na minha opinião em comparação ao bonsai cresce timidamente pois e uma arte que exige mexer com escultura de madeira e técnicas de marcenaria, apesar dos esforços de grandes suisekistas do Brasil como por exemplo o Sr.º Elio Secchi que faz um belo trabalho de divulgação do suiseki e é uma inspiração para eu que sou entusiasta da arte. 

 

14- Existe alguma associação que você pertença?

Eu pertenço a Associação de Bonsai do Rio de Janeiro, carinhosamente chamada de União Bonsai RJ, inclusive sou um dos fundadores e participo da diretoria, sou suspeito em falar, pois tentamos fazer aqui no rio um trabalho de divulgação da arte do bonsai e suas correlatas trazendo novos adeptos e criando ambiente para a prática do bonsai no Rio de Janeiro.

15– Você acha que um Bonsai deve seguir uma ordem rígida de técnicas e estética, ou deve seguir uma forma mais livre e artística?

Eu acho que o bonsai deve seguir o que o praticante quer, se ele quiser seguir uma ordem rígida de técnicas e estética ou seguir uma forma mais livre e artística tem que ser livre para tal além de que a gente faz o bonsai primeiro para agradar nos mesmos, o que as pessoas irão achar do seu trabalho e outro assunto,o que você terá que aprender é a lidar com as criticas e elogios. Um bom trabalho no bonsai ou um bom bonsaista ou artista sempre tem que vir acompanhado de muita humildade essa para min e a única regra que não pode ser quebrada ou desprezada.

Serissa Chinesa

16- Que bonsaista (um ou mais) chama a sua atenção, hoje no cenário mundial?

Nacho Marin, Paulo Henrique Gomes, Juan Llaga, Rudi, Julianto, Kimura, Walter Pall e vários artistas de Taiwan e do Vietnam.

17 – Hoje é mais fácil começar a se dedicar a criação de bonsais?  Quais eram as maiores dificuldades no inicio?  

Sempre é mais fácil, hoje a quantidade de informação disponível na internet é gigante comparado há dez anos, mas tem que saber filtrar um pouco, pois tem informação de qualidade boa e mas também tem ruim. Eu pratiquei durante quase sete anos sozinho e vejo que é muito mais fácil aprender quando você faz parte de algum grupo, pois tem sempre alguém te alimentando de informações e experiências.

18 – Qual a sua percepção hoje da arte bonsai no Brasil? Você acha que teve um crescimento? Há maior projeção dos nossos artistas no cenário mundial?

Por causa da Associação venho acompanhando isto de perto principalmente no RJ a quantidade de novos adeptos a prática do bonsai cresce muito, mais ao mesmo tempo cresce o número de desistentes e pessoas que se frustram com a arte, pois o mercado ainda é carente de instrutores, e existe ainda muita divergência no meio de como deve ser conduzido à instrução de bonsai no Brasil. O bonsai é um mercado em plena expansão, e que esta longe de atingir seu pico de crescimento por ser uma arte relativamente nova no Brasil. Acredito que de 10 a 5 anos para cá, o crescimento acelerou por causa das mídias sociais. Temos vários bonsaistas brasileiros com uma boa projeção no exterior, acredito que aumentaremos mais esta projeção com o passar do tempo, criando um amadurecimento e identidade na arte. 

Caliandra Brevipes

19– Que conselhos você poderia dar para quem esta começando a se dedicar a arte do Bonsai?

Não desista no primeiro fracasso isto faz parte da aprendizagem, se puder procure alguma referência na arte, grupo ou associação facilita muito o caminho.

20– Quais atributos o bonsaista deve ter para conseguir um bom resultado nos seus trabalhos?  

Paciência, disciplina e perseverança.

21 – Quais os benefícios físicos e mentais que podemos encontrar se dedicando a arte do Bonsai?  

Fisicamente e uma atividade que te exige certo tipo de movimento e coordenação motora fina e mentalmente e uma atividade que te exige concentração, imaginação além de te manter estudando e com a mente ativa.

Caliandra Brevipes
Fotografia Ronald Marques

22– Diga uma frase, um pensamento, que você ache que sintetiza nossa arte?   

 “Bonsaista e assim como o vinho conforme o tempo passa vai ficando melhor, porem ser for acondicionado de maneira errada vira vinagre”. Humberto Dellatorre

Gosto muito de uma citação do amigo Wagner Guedes 

“Onde não existe liberdade não pode existir arte! O que caracteriza um artista é a capacidade de quebrar regras e não de segui-las!”

Caliandra Brevipes

23- Me fale um pouco da associação de bonsai que você faz parte, como ela surgiu?

A União Bonsai surgiu como um grupo de amigos que praticavam bonsai e resolveram criar um grupo de encontros e começaram a realizar estes encontros em praças e nas casas de um ou de outro amigo. Com o passar do tempo o numero de integrantes foi crescendo e em 2016 já estávamos com mais de cinquenta membros no grupo, foi quando começamos a estruturar o projeto de associação, ate que em 2018 fundamos a Associação de Bonsai do Rio de Janeiro – UBRJ. Hoje temos quase sessenta associados e mais quatro filiais pelo Brasil que são a União Bonsai Pará, União Bonsai Vale do Paraíba, União Bonsai Foz do Iguaçu e União Bonsai São Paulo.

24- Quais os principais objetivos dela ?

A Associação União Bonsai e baseada em três pilares que norteiam todas as metas e decisões: Divulgação, Aprendizado e Amizade. Nosso objetivo e a universalização da arte do bonsai ajudando a quem quer praticar e divulgar a arte realizando exposições, cursos e workshops além de aproximar as pessoas criando vínculos de amizade em torno de uma atividade em comum.

Para conhecer a União Bonsai acesse:  https://www.uniaobonsai.org/

25- Me fale um pouco do concurso que vocês estão criando!

No fim de 2019 surgiu a ideia de organizarmos um concurso nos moldes evolutivo voltado aos associados iniciantes e intermediários na arte então começamos a pensar na estrutura do concurso e qual foco ele teria e resolvemos focar no Piteco (Cloroleucom Tortum) que e a nossa principal nativa para bonsai aqui no RJ e com isto estimular os participantes a aprenderem a cultivar e desenvolver o piteco para bonsai. Então com esta ideia batizamos o concurso com o nome de Troféu Marcelo Martins de Bonsai que foi o artista que introduziu o piteco na arte do bonsai aproveitando também para homenagear este grande artista do bonsai brasileiro.

O concurso terá duração de dezoito meses e terá avaliações trimestrais através de fotografia, esta avaliação será realizada por quatro grandes artistas do estado do Rio e mais um de São Paulo sendo a banca de jurados compostas pelo próprio Marcelo Martins, Alexandre Chow, Paulo Netto, Wagner Guedes e Paulo Henrique Gomes. Ao final do concurso o participante com maior pontuação será o ganhador do troféu e premiações.

SUISEKI:

Aqui no blog você encontra 4 matérias que escrevi sobre a História, Criação, e curiosidades sobre de Suidekis:

PROCURANDO PEQUENAS MONTANHAS:

https://aidobonsai.com/2009/04/25/procurando-pequenas-montanhas-suiseki/

HISTÓRIA:

https://aidobonsai.com/2008/12/29/suiseki-uma-arte-com-2000-mil-anos-de-idade/

100 SUISEKIS:

https://aidobonsai.com/2010/04/29/100-suisekis/

FLORES DE PEDRA KOREANAS:

https://aidobonsai.com/2010/04/29/as-flores-de-pedra-koreanas/

OS INCRIVEIS SUISEKIS DE KEMIN HU:

https://aidobonsai.com/2010/04/29/kemin-hu-colecao-de-suiseki/