Arquivo para India

As estátuas de Buda

Posted in Arte - Oriental várias, Fotografia - Galerias with tags , , , on 30 d e junho d e 2012 by aidobonsai

 

A vida do Buda

Segundo a tradição budista, Sidartha Gautama, o buda histórico, nasceu no clã Shakya, no início do período Magadha (546-324 a.C.), nas planícies de Lumbini, no sul do Nepal.

attaining-enlightenment

Sidartha Gautama vivia isolado em seu palácio ao meio do luxo e da ostentação. Insatisfeito com a futilidade de sua condição, resolveu abandoná-la e, ao se deparar com o sofrimento, a velhice, a doença e a morte, que não conhecia, juntou-se aos monges brâmanes tornando-se um asceta errante. Por meio do jejum e da penitência queria encontrar respostas para o sofrimento universal.

2750392373_4e2254e643_o

A vida contemplativa, no entanto,não foi suficiente para responder a seus questionamentos sobre o sofrimento universal. Inquieto, Sidarta abandonou os monges e passou a seguir seus próprios caminhos, de solidão e meditação, rejeitando o ascetismo e buscando um caminho intermediário entre o luxo e a automortificação, capaz de conduzi-lo à verdade. Após 7 semanas sentado ao pé de uma figueira, impertubável diante das tentações do demônio Mara, encontrou finalmente as respostas que procurava, chegando assim à iluminação.

2_0005

Sidarta alcançou assim o Nirvana (“extinção da chama da paixão e dos desejos”). A partir desse momento, tornou-se Buda , o Iluminado, passando a questionar as verdades dos Vedas e seus ensinamentos. Nos quarenta e cinco anos seguintes percorreu a planície do Ganges, na região central da Índia, ensinado as suas doutrinas a um grupo heterodoxo de pessoas.

531348903_8ea8255e4e_b

A sua relutância em nomear um sucessor ou em formalizar a sua doutrina levaria à formação de vários movimentos nos séculos seguintes. Em primeiro lugar surgiriam as escolas do Budismo Nikaya, das quais só sobreviveu o Theravada, e mais tarde o Mahayana.

2806281537_f84edb59a1

Índia

Após o fim do Império dos Kushanas, o budismo floresceria na Índia durante a dinastia dos Guptas (séculos IV-VI). Vários centros do saber Mayahana seriam criados, como Nalanda no nordeste da Índia, que se tornaria umas das universidades budistas mais importantes durante vários séculos, com mestres conhecidos como Nagarjuna. O estilo gupta de arte budista tornou-se influente à medida que a religião se difundiu do sudeste asiático à China.

6a00d83451586c69e200e54f2aa3fb8833-800wi

No século VII o budismo indiano começou a entrar em decadência em consequência das invasões dos Hunos Brancos e do Islão. No entanto, teria um renascimento durante a época do império Pala, entre os séculos VIII e XII.

Um dos acontecimentos mais marcantes na decadência do budismo indiano ocorreu em 1193 com a destruição de Nalanda por povos túrquicos islâmicos liderados por Muhammad Khilji. No final do século XII, após a conquista islâmica do baluarte budista de Bihar, os budistas deixaram de ser uma presença significativa na Índia. Para o desaparecimento do budismo também contribuiu o revivalismo hindu expresso através da escola Advaita Vedanta e no movimento Bhakti.

Apesar de ter nascido na Índia, o budismo é hoje praticado em pontos isolados do país.

borobudurperfectbuddha

Ásia Central

A Ásia Central esteve sob influência do budismo provavelmente deste o tempo do Buda. Segundo uma lenda preservada em pali (a língua da tradição Theravada) dois irmãos mercadores da Báctria, Tapassu e Bhallika, visitaram o Buda e tornaram-se seus discípulos. Quando regressaram à Báctria construiram templos dedicados ao Buda.

A Ásia Central era já há muito tempo o ponto de encontro entre o mundo chinês, indiano e persa. Durante o século II a.C., a expansão da Dinastia Han para ocidente fez com que entrassem em contacto com as civilizações helenísticas da Ásia. Depois disso, a expansão do budismo para o norte levou à formação de comunidades e de reinos nos oásis da Ásia Central. Algumas cidades da Rota da Seda era compostas praticamente por stupas e mosteiros budistas, sendo provável que um dos seus objectivos seria acolher os viajantes entre este e ocidente.

O budismo na Ásia Central entrou em declínio com a expansão do islão no século VII. Os muçulmanos não consideraram os budistas como “Povos do Livro” e consequentemente não os toleraram.

Buddha-Vajrapani-Herakles

Bacia de Tarim

A região oriental da Ásia Central (Xinjiang, Bacia de Tarim) tem revelado ricas obras de arte budista (pinturas murais, esculturas, objectos rituais…), que mostram influências helenísticas e indianas.

A Ásia Central parece ter desempenhado um importante papel na difusão do budismo para o oriente. Os primeiros tradutores das escrituras budistas para o chinês eram naturais da Ásia Central (da PártiaSogdiana ou de Kushan). Os monges budistas da Ásia Central e do Extremo Oriente parecem ter estabelecido contactos culturais significativos, como mostram os frescos da Bacia de Tarim.

BXK9360_buda-tail-andia800
China

É provável que o budismo tenha chegado à China por volta do século I d.C., vindo da Ásia Central (algumas tradições falam também de um monge budista que teria visitado o país no tempo de Asoka).

A introdução oficial do país à religião data de 67 d.C. com a chegada de dos monges Moton e Chufarlan. Em 68, sob patrocínio imperial, eles estabeleceram o Templo do Cavalo Branco, que ainda existe hoje em dia, perto da capital imperial Luoyang. No final do século II, uma próspera comunidade budista existia em Pengcheng (actualmente Xuzhou).

Os primeiros textos conhecidos do budismo Mahayana são traduções em chinês realizadas pelo monge Lokaksema em Luoyang, entre os anos de 178 e 189 d.C.. Os objectos mais antigos que se conhecem relacionados com o budismo na China são “árvores de dinheiro”, datadas de cerca de 200 d.C., reflectindo o estilo de Gandhara.

6a00d83453a73169e201156f96d479970b-800wi

Entre e leia a matéria sobre Buda e veja a galeria com incríveis estátuas:

Continue lendo

Kalaripayiti – A arte marcial da India

Posted in Arte Marcial - Kalaripayiti with tags , , , , , , , on 2 d e junho d e 2010 by aidobonsai

” Pois ouvi dizer que aquele que bem sabe conservar a sua vida não encontra o rinoceronte nem o tigre quando viaja por terra; nem é atacado por armas quando vai para a batalha.O rinoceronte não encontra lugar para enfiar-lhe o chifre; o tigre não encontra lugar para deitar-lhe as garras; as armas não encontram lugar para passar-lhe as lãminas.Por que isto acontece? Porque ele transpôs a região da morte.”

Tao Te Ching, de Lao Tzu

Cerca de uma hora antes do nascer do sol, as crianças de um pequeno povoado rural do sul da Índia reúnem-se numa pedreira dos arredores. A pedreira é iluminada pela lua, queaos poucos some no céu, e por uma lâmpada fluorescente suspensa. As crianças conversam entre si, e suas vozes mal se destacam contra os sons bruscos do povoado que desperta: um balde sendo enchido de água num poço; um prolongado e agonizante acesso de tosse. Então o Mestre chega e, depois das adequadas saudações aos deuses e a ele, as crianças começam a sessão matinal de kalaripayit, a arte marcial do sul da Índia.

Praticam durante cerca de uma hora, girando e contorcendo-se com agilidade extraordinária, o som de sua respiração formando uma espécie de contraponto com os outros sons que os rodeiam – os grasnidos dos primeiros bandos de corvos que cruzam o céu cada vez mais claro; os passos silenciosos de um elefante que caminha sossegado rumo a uma obra de construção nas proximidades; a terra sendo varrida pelas mães das mesmas crianças; e os alto-falantes do templo local, que tocam de forma distorcida uma música sagrada que ecoa pelos campos. Por fim, quando o sol chega à altura das folhas mais altas dos coqueiros, a aula termina e as crianças vão para a escola ou para o trabalho.

O Templo de Venkatanatha foi construído no século VII d.e. no precinto dos templos de Kanchipuram, perto de Madras, na Índia. Os frisos de suas paredes internas trazem representações dos conflitos entre as dinastias reais e contêm algumas das mais antigas imagens de técnicas de artes marciais.

Como não há nem escolas nem mestres de kalaripayit fora da Índia, podemos compreender por que essa tradição tem sido tão esquecida pelos estudiosos de artes marciais. É extraordinário, porém, que nenhum dos pesquisadores e escritores que vêm estudando as artes marciais há tantos anos tenha feito se quer uma simples menção à existência do kalaripayit. Os poucos escritores que falam das artes marciais indianas só fazem referência a um sistema importado, semelhante ao karatê; mas é difícil crer que qualquer um que tenha visto indianos praticando kalaripayit possa descrevê-la desse modo. Mas, enfim, como essa atitude existe, sentimos ser o nosso dever elaborar uma defesa desta arte marcial praticamente desconhecida.

O estilo setentrional de kalaripayit dá ênfase à capacidade de elevar-se de uma posição quase deitada para uma postura alta. Este tipo de exercício aumenta a agilidade e a flexibilidade. Neste caso, o aluno também se vira para o outro lado em pleno ar.

Há dois pontos que têm de ser esclarecidos antes de mais nada. Em primeiro lugar, será o kalaripayit uma arte marcial surgida na Índia, ou terá sido importada? E, em segundo lugar, será que permanece a mesma desde que foi criada ou acaso sumiu para depois reaparecer, talvez sob outra forma?

Podemos provar que as artes marciais já eram praticadas no sul da Índia durante os séculos VI e VII. Certas estátuas do Templo de Kanchipuram, perto de Madras, construído no começo do século VII d.C., representam o uso de técnicas completas de desarmamento, bem como o uso das mais diversas armas. Dispomos também dos testemunhos oculares de Hsüan-tsang, o famoso peregrino, erudito e diplomata chinês, que escreveu sobre as armas indianas que viu em sua viagem:

“Os principais soldados do país são escolhidos dentre os membros mais corajosos do povo, e, como os filhos seguem a profissão dos pais, desde muito cedo adquirem um conhecimento da arte da guerra. [Em tempo de paz], residem numa guarnição em torno do palácio, mas quando saem em expedição marcham na frente das outras tropas, cumprindo o papel de vanguarda. O exército tem quatro divisões, a saber: (1) a infantaria, (2) a cavalaria, (3) as carruagens e (4) os elefantes. Estes últimos são recobertos de uma forte armadura, e esporões afiados são instalados em suas presas. O comandante fica numa carruagem de guerra, que é dirigida por dois cocheiros, um dos quais fica à direita e o outro à esquerda, e é puxada por quatro cavalos dispostos de largo. O general dos soldados permanece em seu carro de guerra; é rodeado por uma fileira de guardas, que jamais se afastam das rodas da carruagem.

“A cavalaria espalha-se à frente para resistir aos ataques e, em caso de derrota, para distribuir as ordens pelo exército inteiro. A infantaria, por seus movimentos rápidos, contribui com a defesa. Os homens de infantaria são escolhidos por sua coragem e sua força. Levam uma longa lança e um escudo enorme; às vezes portam uma espada ou um sabre, e avançam à frente com impetuosidade. Todas as suas armas de guerra são pontudas e afiadas. Eis algumas delas: lanças,

Muitas das posturas da dança clássica indiana assemelham-se às posturas do kalaripayit, o que nos dá a entender que as duas artes descendem de uma tradição comum de luta, como mostram estas duas fotografias. A postura clássica de dança adotada pela jovem dançarina da foto abaixo é idêntica à postura do deus, acima, que foi entalhada no começo do século VII na parede de um dos templos de Kanchipuram.

Os Mestres de Kalaripayit:

As vidas dos mestres, cada qual em sua aldeia, geralmente seguem todas o mesmo modelo. Depois da prática matinal com as crianças, eles se dedicam à sua outra função importante, a de médico do povoado.

Nas artes marciais, é comum que os mestres sejam também médicos. Em virtude da própria natureza da arte, a pessoa que pratica técnicas de luta por muito tempo vai adquirindo um conhecimento cada vez maior de medicina, uma vez que quase todo dia há alguém que se machuca durante a prática. Ainda quando é um jovem aluno, o mestre aprende a curar hematomas e distensões leves; mas, à medida que passa a dedicar-se seriamente à arte e já antevê a possibilidade de tomar-se um mestre, começa a estudar mais e aprende a curar fraturas e ferimentos internos. Muitos mestres não ultrapassam esse nível de conhecimento, mas outros vão adiante e chegam à maestria total na prática da medicina de seu país.

Um dia passado na companhia de um mestre médico, vendo-o cuidar de seus pacientes, nos mostra o quanto a medicina ocidental é limitada por suas técnicas científicas rígidas e mecânicas. Mesmo no caso de um médico de aldeia, o sistema tradicional de medicina da Índia (Ayurveda) caracteriza-se por uma profundidade de cuidado e atenção ao paciente que quase não se encontra no Ocidente.

Muitos pacientes são homens que se machucaram no trabalho, geralmente por trabalhar demais. Para um pobre pescador, um dia de trabalho perdido numa consulta ao médico é uma perda severa, que se prolonga até que o médico consiga ajudá-lo a recuperar as forças para voltar a arrastar as redes de pesca.

O nome halaripayit é uma combinação de duas palavras usadas pelo povo de Kerala, que fala a língua malaiala. Kalari significa “lugar” ou “campo de batalha”, e payit significa “práticas”. Portanto, o termo significa literalmente “treinamento ou prática para o campo de batalha”. O kalaripayitcompreende dois grandes estilos que, por se distribuírem segundo uma divisão geográfica, são conhecidos como estilos do norte e do sul.

Entre e leia toda matéria sobre o a arte marcial da India:

Continue lendo

As estátuas de Buda

Posted in Arte - Oriental várias, Fotografia - Galerias with tags , , , on 28 d e maio d e 2009 by aidobonsai

 

A vida do Buda

 

Segundo a tradição budista, Sidartha Gautama, o buda histórico, nasceu no clã Shakya, no início do período Magadha (546-324 a.C.), nas planícies de Lumbini, no sul do Nepal.

attaining-enlightenment

Sidartha Gautama vivia isolado em seu palácio ao meio do luxo e da ostentação. Insatisfeito com a futilidade de sua condição, resolveu abandoná-la e, ao se deparar com o sofrimento, a velhice, a doença e a morte, que não conhecia, juntou-se aos monges brâmanes tornando-se um asceta errante. Por meio do jejum e da penitência queria encontrar respostas para o sofrimento universal.

2750392373_4e2254e643_o

A vida contemplativa, no entanto,não foi suficiente para responder a seus questionamentos sobre o sofrimento universal. Inquieto, Sidarta abandonou os monges e passou a seguir seus próprios caminhos, de solidão e meditação, rejeitando o ascetismo e buscando um caminho intermediário entre o luxo e a automortificação, capaz de conduzi-lo à verdade. Após 7 semanas sentado ao pé de uma figueira, impertubável diante das tentações do demônio Mara, encontrou finalmente as respostas que procurava, chegando assim à iluminação.

2_0005

Sidarta alcançou assim o Nirvana (“extinção da chama da paixão e dos desejos”). A partir desse momento, tornou-se Buda , o Iluminado, passando a questionar as verdades dos Vedas e seus ensinamentos. Nos quarenta e cinco anos seguintes percorreu a planície do Ganges, na região central da Índia, ensinado as suas doutrinas a um grupo heterodoxo de pessoas.

531348903_8ea8255e4e_b

A sua relutância em nomear um sucessor ou em formalizar a sua doutrina levaria à formação de vários movimentos nos séculos seguintes. Em primeiro lugar surgiriam as escolas do Budismo Nikaya, das quais só sobreviveu o Theravada, e mais tarde o Mahayana.

2806281537_f84edb59a1

 Entre e leia a matéria sobre Buda e veja a galeria com incríveis estátuas:

Continue lendo