100 desenhos Celtas

Posted in Pintura e Desenho on 9 d e abril d e 2014 by aidobonsai

Aqui uma pesquisa com 100 desenhos e grafias Celtas, para quem está procurando uma referência, inspiração, para uma boa Tatto. A grafia Celta é uma das mais bonitas e procuradas para Tatuagem, mas é um desenho que exige que seja feito com um profissional muito experiente, e de muita qualidade artística.

10151259_616651635087706_604576966_n

As cruzes celtas são muito procuradas para tatuagem. Os guerreiros celtas tatuavam as cruzes na altura do coração, para pedir proteção e coragem.

The-5-Celtic-Tattoo-Designs-Popular-3

Já as árvores da Vida eram tatuadas nas costas e seu significado trazia a proteção do sobrenatural ,das forças da natureza e dava o poder da intuição e de prever o futuro nos sonhos.

tree_of_life_with_rod_and_snake_by_tattoo_design-d6y0w88

Curiosamente, este meio tão primitivo era considerado pelos druidas o mais eficaz na hora de estabelecer um prognóstico sobre o destino que espera qualquer ser humano.
Ao observar todo conjunto da árvore, desde suas raízes que se fundiam com a terra até a copa mais ou menos frondosa, o que aconselhavam era manter a vista elevada, permanecer bem apoiado ao solo e ter em conta que a natureza é tão inteligente que no tempo de caída das folhas se segue o da neve, as quais proporcionam a aparição dos melhores brotos. Chega então a época da fertilidade e do renascimento da vida.

celtic-tree-of-life-tattoo-designs

Desde o principio dos tempos, a árvore manteve uma relação com o ser humano celta, proporcionou o primeiro lar, lenha, sombra e alojamento para as aves que podiam transformá-las em caça para alimentar a tribo.
No entanto, os druidas consideravam que a relação podia ser mais íntima, tinham em mente que cada homem ou mulher levava em seu interior uma árvore, pela qual alimentava o desejo de crescer da melhor maneira.

1486762_186817034844815_1455407937_n

1374101_580473028682621_370823970_n

Grafias Celtas que trazem a característica principal, a perspectiva de correntes entrelaçadas.

grey-celtic-tattoo-designs

 

celtic-tattoo-examples

 

celtic-tattoo-design-collection

Celtic-tattoo-design-design-ideas-012

celtic-tattoo-30

Entre na galeria e veja mais 100 desenhos e grafias Celtas:

Continue lendo

Bem vindo ao espaço Aido Bonsai

Posted in Bonsai - Aido Bonsai 2010, Bonsai - Meus Trabalhos with tags , , on 4 d e abril d e 2010 by aidobonsai

Leia sobre o Aido Bonsai, com a música que é o som ambiente do meu espaço há 22 anos.


O meu nome é Paulo Netto e me apaixonei por esta arte aos 14 anos de idade ao ver meu primeiro Bonsai  numa exposição sobre a China, no Rio de Janeiro, em 1979. Hoje crio e estudo a arte há 17 anos. O meu blog não tem fins comerciais e o seu objetivo é divulgar o meu trabalho, conhecer outros bonsaístas, fazer amigos, dividir informações técnicas e fotografias, e homenagear grandes mestres e profissionais que fazem a diferença nesta arte.Para entrar em contato use o Email:  paulonetto.diretor@gmail.com

My name is Paulo Netto and I fell in love with this art at the age of 14, when I saw my first bonsai and peijing at a chinese exposition in Rio de Janeiro, 1979. Today I make and study this art for 17 years. My blog doesn’t have comercial purpose and my real goal is to publish my work, meet other bonsaists, prastise friends, share tecnical information and photos, and to pay homage to the big masters and professionals that make the difference in this art. For Aido Bonsai in English enter 

Me llamo Paulo Netto y me enamoré por este arte a los 14 años de edad al ver mi primer Bonsai en una exposición sobre la China, en Rio de Janeiro, en 1979.
Hoy cultivo y estudio el arte hace 17 años. Mi Blog no tiene finalidad comercial y su objetivo es divulgar mi trabajo, conocer a otros bonsaistas, hacer amigos, compartir informaciones técnicas y fotografías, y homenajear a los grandes maestros y profesionales que hacen la diferencia en este arte. Para entrar en contacto, escriba para el email: paulonetto.diretor@gmail.com

Je m’appelle Paulo Netto et je me suis enchanté pour cet art  quand j’avais 14 ans lorsque j’ai vu, pour la première fois, un Bonsai dans une exposition sur la Chine, à Rio de Janeiro, en 1979. Je cultive et j’étudie l’art il y a 17 ans. Mon blog n’a pas de fins commerciales et son objectif est de diffuser mon travail, de connaître d’autres bonsaïstes, de faire de nouveaux amis, de partager des informations techniques et des photographies, et de rendre hommage aux maîtres et professionnels qui font un travail magnifique dans cet art. Pour faire contact, utilisez le e-mail paulonetto.diretor@gmail.com

Ich heisse Paulo Netto und bin von der Bonsaikunst fasziniert seitdem ich im Alter von 14 Jahre das erste Mal ein Bonsai gesehen habe. Das war 1979 in einer Chinaausstellung in Rio de Janeiro. Seid 17 Jahren gestalte ich selber Bonsais und lerne weiter diese Gartenkunst. Mein Blog hat kein kommerzielles Interesse. Ich moechte hier meine Kreationen vorstellen, andere Bonsaisten kennen lernen, Freunde machen, technische Infos und Bilder austauschen und Bonsameistern sowie wichtigen Fachleuten dieser Kunst meine Anerkennung geben. Kontakt per Email: paulonetto.diretor@gmail.com

Como tudo começou:

Minha paixão por bonsai e penjing começou antes de conhecer esta arte própia- mente dita. Desde os 10 anos observava meu pai, o diretor de tv Paulo Netto, também conhecido como Netinho, construindo maquetes em miniatura para os especiais infantis que ele criou para a Rede Globo de televisão. A nave do especial Plunct Plact Zoom, a lancha que iria explodir na novela Água Viva ou os cenários construídos em miniatura para serem filmados em chroma key no Fantástico, são alguns das centenas de trabalhos excutados como maquetista. Foram 50 anos de vida dedicados à televisão. Aprendi com ele muitas técnicas de modelismo, pintura, artesanato e escultura, e todas me ajudaram muito hoje na confecção de pedras e detalhes em madeira para os meus penjigs (paisagens em miniatura).Sou diretor de cena e publicitário e hoje afirmo que a arte do Bonsai  me ajudou na observação do detalhe e no respeito de esperar com paciência pelas etapas nescessárias para realização de um bom trabalho. Fui apresentado ao bonsai aos 14 anos de idade ao ir numa exposição sobre a China, noRio de Janeiro, em 1979. Foi paixão à primeira vista: conciliar a visão da natureza, a criação de pequenas árvores e os elementos físicos à sua volta era um desafio. E maior o desafio se torna quando não lidamos com materais inanimados. Árvores e plantas morrem em contato com diversos materiais, como alguns tipos de tintas, resinas, corantes e produtos químicos usados em belas artes. Estes produtos são absorvidos pelas raízes, muitas vezes apenas anos depois de contato direto  após o crescimento.

 

DSC05404

Abaixo fotografia do meu primeiro espaço de cultivo ,criado em 1990 na casa dos meus avós. Nesta época improvisava as ferramentas os vasos, não tinha pesquisa na internet, perdi plantas e bati muita cabeça.

Na foto seguinte, já na minha casa, construí com o total apoio do amor da minha vida Vitória Martins, o espaço Aido Bonsai.

Vitória segurando meu terceiro trabalho, uma Azaléia. Infelizmente eu perdi este bonsai, um galho gigante caiu sobre ele e outros trabalhos em uma tespestade.

O primeiro Bonsai:

Em 1990 eu já tinha vontade de comprar meu primeiro bonsai. Minha mãe, a atriz da velha guarda Dinah Ribeiro (Maria Thereza Zampieri), que começou sua carreira na Radio Nacional de São Paulo e trabalhou em teatro, cinema e televisão, quando soube que eu queria adquirir um bonsai, me levou imediatamente à feira da Liberdade. Comprei um belo bonsai do grande mestre Kensaburo Hadano, um Shimpaku estilo Han Kengai. Infelizmente, o pouco conhecimento e o medo de perder a árvore me levou a ter tantos cuidados que acabei perdendo o bonsai meses depois. Hoje, sei que a falta de sol pleno, o fato de regar muito a copa e o calor do Rio de Janeiro foram os fatores de sua perda. Nesta famosa feira que acontece todos os domingos obtive também algumas dicas de como obter livros importados, na época eram muito poucos disponíveis aqui no Brasil. Continuei na minha procura, mas cometi um erro comum de quem quer possuir seus primeiros bonsais: a compra de bonsais falsos em alguns quiosques de rua no Rio de Janeiro. O oportunisto de quem não é profisional leva à venda de plantas de folhas pequenas, geralmente tuias e pinheiros, aplicando técnicas radicais de poda de raízes e copa. Você leva para casa uma bomba relógio que já está com os seus dias contados. Você volta e vendedor pergunta: “Você regou todo dia? Foi isso!”, “Você não regou todo dia? Foi isso!”. Não tem para onde correr, a incapacidade é sempre sua. Minha avó Morella Vilola, uma apaixonada e estudiosa de plantas ornamentais, me passou, ao longo da adolescência, um conhecimento básico sobre botânica bem razoável, mas sua ajuda não impediu a perda de outras compras erradas. Hoje, alguns quiosques do Rio vendem bonsais verdadeiros e de muita qualidade, mas são poucos; devemos nos informar muito antes de uma compra. Não existem bonsais de 30 anos vendidos por R$ 50 reais! Ninguém dedica cuidados a uma árvore por tanto tempo para vender por este valor. Aqui nos links você encontra empresas especializadas e produtores sérios.

Mar de Itaipuaçu. Recanto da pedra do Elefante ou Alto Mourão.

Pedra cascata. Esta é uma poliqueta que foi jogada pelo mar de Itaipuaçú em 1980. Ela é formada por moluscos  que constroem tuneis, fazendo caminhos e formando uma estrutura muito dura parecendo rocha sólida. Ela ficou ao ar livre pegando chuva até 2005. Em 2006 escavei e plantei este Ulmus chinensis.

.

Uma outra paixão de infância se juntou ao bonsai e ao penjing. Moro em frente a praia de Itaipuaçu, em Maricá, RJ. Quem conhece esta praia sabe que aqui temos uma das maiores ondas do Brasil. É um mar violento, que é acentuados pela profundidade e falta de recifes em sua orla. Esta formação da praia facilita ao mar jogar muitas conchas e pedras de grande porte. Desde os 8 anos de idade era ouvir o mar ressacar e lá ia eu com uma cesta coletar conchas.

Floresta de Buxinhos palntado em suiban (bandeja) de madeira maçaranduba.


O problema se agravou quando meu padrinho me deu um livro de classificação de conchas. O tamanaho do problema? Cerca de 28.000 conchas do mundo inteiro estão guardadas na minha garagem, são 2.000 espécies, aguardando uma sala para serem expostas. Colocarei em breve aqui no blog as fotos desta coleção, pois perdi os livros de catalogação da minha coleção para alguns malditos cupins. A facilidade de uma câmera digital me permitirá um sonho antigo, fotografar toda coleção e compartilhar com vocês. Aqui uma concha da minha coleção uma Tridacne Gigas da polinésia de 70 kilos. Estas conchas são usadas nas antigas igrejas Francesas como pia batismal.

O trabalho a seguir está sendo desenvolvido há 11 anos. As 15 árvores desta floresta foram cultivadas em separado e suas formas foram modeladas para que se encaixassem como um quebra cabeça. A maior árvore ao centro e as subsequentes menores. Numa floresta a árvore mais antiga (mater)  sempre está no centro. Ela foi plantada numa lage de pedra São Tomé. A cada ano ela vai ficando mais harmoniosa.

O pequeno templo. Floresta de Eugênias plantada em laje de pedra São Tomé.

Detalhe da floresta. O Pequeno templo. Madeiras do caminho com 7cm X 1cm.

Já as pedras que são jogadas pelo mar de Itaipuaçu possuem formas incríveis, buracos, platôs, reentrâncias. Recolho algumas destas pedras desde os 15 anos. Já falaram dentro da minha casa: “o Paulo está maluco, carregando todas as pedras da praia para dentro de casa; agora está usando até carrinho de mão!” – rsrsrsrsr.

Pedras jogadas pelo mar de Itaipuacú.

Me orgulho de ter até hoje todas elas e usar estas pedras em alguns dos meus trabalhos. Aqui no blog vocês vão encontrar em navegação por assunto (coluna da direita) etapas dos meus trabalhos e técnicas de modelagem de concreto celular. Ôpa, acho que ouvi o mar ressacando, vou pegar algumas pedras! Obrigado por visitar o blog e volte sempre.

Floresta de Aspargus. Tori feito em madeira. Altura 25cm

Penjing:  “O Samurai”, Bonsai de Pithecolobium torthum  com 30 cm de altura. Base modelada em concreto celular. Samurai em resina com 5 cm.

Detalhe do Penjing  “O caminho de Shosen”  Floresta com 18 Eugenias sprenguelli.

Cópia de DSC04712

O que é o pensamento Aido Bonsai:

A tradução do japonês é “Caminho da harmonia pelo Bonsai” Há 11 anos adotei este nome para o meu ateliê, que no ano de 2009  fará 17 anos de idade. Meu ateliê  fica no terreno da minha casa em Itaipuaçu distrito de Maricá, no Rio de |Janeiro.

Marca do atelie Aido Bonsai: quadrado, círculo e triângulo,representando as três formas geométricas diferentes, mas que giram perfeitamente uma dentro da outra. Representam: mente, corpo e espírito. Esta forma é o símbolo da harmonia universal. Os 4 trigramas do I Ching com os elementos que o bonsai precisa para viver: água, terra, sol e ar. A árvore dentro do triângulo representa a base estética da triângulação do bonsai.

O nome conceitua literalmente o que eu sinto que esta arte pode trazer para a nossa saúde espiritual e física. O contato direto com a terra, a procura de encontrar uma pequena árvore numa floresta ou  uma muda escondida nas florálias, aumenta a percepção  da natureza que está à nossa volta. Todas as etapas relacionadas ao cultivo do Bonsai são gratificantes e nos ensinam o momento de esperar a natureza seguir seu rumo natural. Isto nos torna mais tolerantes e pacientes nas nossas relações de trabalho e pessoais.

O meu bloog tem como finalidade dividir com amigos, pessoas que não conhecem o que é Bonsai e outros apaixonados por esta arte, minhas experiências e meus conhecimentos adquiridos neste tempo, dedicado às minhas árvores. No futuro estarei disponibilizando todo meu acervo fotográfico e colocando a  minha coleção de livros à disposição para consultas.  Obrigado por visitar o meu Blog

O jogo de go. Detalhe de floresta de Ficus benjamina (17 árvores)

DSC05432

O que é Bonsai e Penjing ?

Bonsai é uma arte que permite ao estudioso de suas técnicas usar os conhecimentos adquiridos de Agronomia, Botânica e estética para controlar e modelar o crescimento de uma árvore. Tem como objetivo condicioná-la de maneira saudável em um vaso de proporções próximas às de uma bandeja, de forma que esta adquira toda a beleza e características físicas de uma árvore de grande porte encontrada na natureza.

DSC05437

Penjing é a arte Chinesa de reproduzir uma paisagem encontrada na natureza com todos os seus detalhes. Uma floresta com um corte de rio, aquela praia com uma árvore retorcida pelo vento, uma montanha com árvores enraizadas nas suas encontas, um lago calmo etc… Para isto são utilizados suibans (bandejas rasas) que podem ser de cerâmica, pedra, madeira ou até resina.

A montanha de Buda. Modelada em concreto celular.

Tenho intenção de em qualquer matéria publicada aqui no blog colocar os créditos dos bonsaístas, artistas e fotógrafos. Este é um site que tem por objetivo mostrar e divulgar esta arte maravilhosa que é o Bonsai. Se alguma foto estiver sem crédito é porque as vezes não é informado na fonte de pesquisa. Se você tem algum trabalho aqui publicado será um prazer colocar todos os seus dados de contato no blog. obrigado

Entre na galeria e conheça mais dos meus trabalhos e o espaço Aido Bonsai:

Continue lendo

100 Tribais de Animais

Posted in Pintura e Desenho with tags , on 9 d e abril d e 2014 by aidobonsai

Aqui 100 desenhos de referência de vários artistas para quem está procurando inspiração para fazer uma Tatoo tribal de animal.

cat-tribal-tattoo

Captura de Tela 2014-04-09 às 14.04.31

52aec4fe521a4783d6de66b95acaa877

122043H632P12019

aztec-eagle

 

how-to-draw-tribal-animals-art-step-6_1_000000011258_5

Continue lendo

As esculturas de Nelly Alves Manzanari

Posted in Aido Bonsai, Arte - Escultura, Bonsai - Matérias especiais with tags , on 16 d e fevereiro d e 2014 by aidobonsai

Nelly Alves Manzanari nasceu no Mato Grosso do Sul, em Campo Grande. Começou a trabalhar aos 14 anos na área de enfermagem e depois se profissionalizou em instrumentadora cirúrgica. Um dia, assistindo um programa de televisão sobre escultura, seu coração bateu forte e, como ela mesmo escreveu:    “Vi um senhor numa reportagem fazendo uma escultura, suas mãos percorriam naquela massa com delicadeza e precisão ao mesmo tempo…eu PAREI, senti meu coração bater na garganta, um forte sentimento de inquietação invadiu meus pensamentos, não consigo explicar até agora, mas naquele momento eu lembrei que sabia fazer escultura…mas como?”

20131229_175227

Nelly comprou argila no dia seguinte e modelou um busto feminino, e depois  começou sua jornada, buscando cursos, materiais, fazendo um curso de cerâmica, artesanato, procurando com dificuldade se profissionalizar.

Cavalo criado em cerâmica

20131229_172857

Nelly, em sua procura de materiais, passou pela cerâmica e encontrou o cimento estrutural ou concreto celular.  Para melhorar seu acabamento ela usa pó de mármore e também para retirar a porosidade do cimento estrutural.

DSC02066

Lindos Guardiões modelados em concreto estrutural.

IMG_20131007_190449

O sonho de Nelly é fazer um curso de escultura em mármore; enquanto isso não acontece, pega pedras locais e trabalha com serra mármore, furadeira, esmerilhadeira, dremel com fresa diamantada, formão, talhadeirinhas…etc.

20140208_181541

DSC_0000078

Nelly é uma pessoa simples, que morava em um conjunto habitacional e hoje construiu uma pequena casa muito arborizada, onde aos poucos transformou em um lugar de paz para sua família e para criar seus trabalhos.

20131021_145502

 

20140211_164654

Eu sempre digo que quando queremos construir e nos dedicarmos a algo não existem barreiras. A artista Nelly é a prova disso, está a cada dia nas suas esculturas, realizando seus sonhos e levando sua arte para amigos, clientes e apreciadores de seu trabalho.

Poseidon criado em cerâmica

20131229_170624

20131005_134650

Para contato, encomendas, fale com Nelly Alves Manzanari nos telefones 67 9152 7726 e fixo 67 3354 8294  

Email: nellymanzanari@hotmail.com

Nelly me informou que sempre tem peças prontas e que aceita encomendas.

Paisagem onde Nelly caminha procurando pedras para trabalhos, inspiração e energia para trabalhar.

20140211_165652

Troque suas folhas, mantenha suas raízes. Por Claudia Penteado

Posted in Aido Bonsai, Bonsai - Meus Trabalhos with tags , , on 16 d e fevereiro d e 2014 by aidobonsai

DSC05508

Todo mês Claudia Penteado vai buscar uma nova arte e escrever sobre uma experiência diferente para publicar no site da revista Época suas percepções. Essa matéria sobre o Bonsai e Penjing foi apenas o começo de suas novas experiências.  Vale a pena conferir todas que ela irá buscar. Abaixo, a matéria ilustrada com muitas fotografias. Queria agradecer aqui a chance de dividir um pouco da minha arte com essa pessoa especial e jornalista incrível!

Para lêr  as matérias de Claudia Pentado entre no link ao abaixo:

http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/ruth-de-aquino/noticia/2014/02/btroque-suas-folhasb-mantenha-suas-raizes-por-claudia-penteado.html

Troque suas folhas, mantenha suas raízes. Por Claudia Penteado

Na ‘Visita de Domingo’, Claudia conta por que decidiu fazer uma coisa totalmente nova a cada mês. Por uma vida mais criativa, com seus riscos e encantamento

claudiabonsai

“Com o Bonsai, percebi que o que mais desejo agora é cuidar de meu jardim, da minha casa e das pessoas importantes na minha vida. Há na arte do Bonsai algo de divino.” (Foto: Arquivo pessoal)

O título desse post é um pensamento de Victor Hugo, que traduz o meu primeiro desafio do ano: “Troque suas folhas, mantenha suas raízes”. 2014 chegou de supetão com sua onda de calor e sequidão, realçando a pilha crescente de livros por ler, filmes por assistir, viagens por fazer, projetos por desengavetar. É o ano do cavalo – que para os chineses representa movimento, comunicação e o poder que o homem tem de transformar a sua realidade. Foi esse o ano que escolhi para realizar algo planejado, quem diria, ainda em 2013 (no finalzinho, vai).

A decisão foi a seguinte: fazer pelo menos uma coisa inteiramente nova a cada mês. Sem nenhuma pretensão de escalar o Everest, praticar wing walking ou base jump. É simples como abrir uma janela. A ideia é fazer algo pela primeira vez, desde que enriqueça a rotina, estimule novas conexões, oxigene o cérebro e a aqueça a alma. Essencialmente, que sirva para tornar a minha vida mais criativa.

O escritor George Bernard Shaw disse uma vez que a criatividade desperta a inveja dos deuses, e por isso requer coragem. Gosto muito dessa ideia de uma batalha ativa com os deuses. Lá fui eu, portanto, enfrentá-los.

A jornada começou num domingo de manhã, junto à brisa fresca das praias oceânicas de Niterói, em um paraíso chamado Aido Bonsai. Lá, o amigo Paulo Netto concordou em me iniciar na arte do Bonsai. Mas por que o Bonsai?

Foto de Claudia Penteado fazendo imersão do seu trabalho, para compactar a terra, tirando ar, para não deixar espaços entre as raízes.

Captura de Tela 2014-02-16 às 10.55.14

Há vários motivos, claro, e um deles foi o desejo de me arrancar de casa e me aproximar da natureza, sujar as mãos de terra. Outro foi a curiosidade, desde pequena, em torno daquelas árvores em miniatura, perfeitas e imperfeitas ao mesmo tempo. A curiosidade é o desejo de mudança, que nos move na direção do novo.

De repente, lá estava eu, as mãos na terra, cavando a raiz de uma Eugenia Sprengelli, preparando-a para ser replantada e aos poucos transformar-se em um Bonsai. Juntas, ali, eu e ela, iniciamos uma nova etapa em nossas vidas.

DSC05482

Há no Bonsai algo de divino. Dizem que cada miniatura reúne toda a magia da qual as árvores são dotadas. Não há como duvidar da potência dessa união encantadora entre arte e natureza, duas coisas capazes de elevar o espírito – até dos ateus.

A primeira coisa que se aprende na arte do Bonsai é que é preciso paciência. Sem ela, nada feito. Paulo conta que ficou mais calmo e meticuloso depois de tornar-se bonsaísta e especialista também na arte do Peijing – uma arte próxima ao bonsai, sem vasos, que cria minipaisagens em superfícies lisas ou pedras. É o exercício da espera que explica as muitas miniaturas de árvores com seus troncos grossos e mais de 300 anos de idade, passadas de geração para geração.

Foto tirada em fundo negro, para poder observar a estrutura da copa. Isso ajuda a observar os pontos vazios, e onde teremos que retirar nas semanas seguintes o  excesso de galhos e folhas.

DSC05491

Foto já com estudo, de como a copa devemos no futuro preencher do lado direito, onde ainda não tem uma triangulação da copa.

DSC05490

Cuidar de um Bonsai é um trabalho manual, delicado, de escolhas importantes, dia após dia. Os pequenos e frágeis galhos sempre poderão ser mudados de direção – para o bem e para o mal, pois podemos perdê-los por descuido.

O sociólogo Richard Sennett compara o ato de “moldar” e administrar as resistências dos materiais às resistências e idiossincrasias das relações humanas. Segundo ele, o trabalho manual ensina a lidar com as resistências sem lutar contra elas, e sim tentando entendê-las. É isso.

DSC05506

Depois de muito falar sobre essa nova noção do tempo, sobre raízes, poda, estaca, sol, chuva, regas, devo dizer que ganhei vários presentes, naquele domingo, no jardim do Paulo Netto. Mas vou destacar três. O primeiro foi a iniciação nessa surpreendente arte em obra aberta, praticada em um ser vivo que respira, se alimenta, cresce e reage a cada escolha feita. Essa “obra” pode originar novas árvores, pode durar uma vida – ou várias.

Claudia fazendo uma poda de forma em sua Eugenia Sprenguelli.

DSC05484

Li em algum lugar que praticar o Bonsai ajuda a preservar o coração de criança. Depois de conhecer o Paulo Netto, só posso acreditar nisso. Ele é um brincalhão capaz de contagiar a mais soturna das criaturas. Este foi outro dos presentes que ganhei: avivar o olhar lúdico para o mundo, a capacidade de imaginar e de brincar, que costuma adormecer com o passar dos anos, mas é tão determinante para nos manter não apenas vivos – mas vivazes.

No filme “A grande beleza”, de Paolo Sorrentino, há um trecho que me parece pertinente para falar do terceiro presente: diante do protagonista Jap Gambardella, escritor que sofre de bloqueio criativo, uma espécie de santa/freira diz que só se alimenta de raízes porque “as raízes são importantes”. A dimensão simbólica dessa reflexão ajuda o escritor a buscar, a partir dali, suas próprias raízes, livrando-se do bloqueio e encontrando novo sentido para a sua vida.

O terceiro presente que ganhei, com as mãos enfiadas na terra, foi reencontrar as minhas próprias raízes, e renovar a vontade de cuidar delas com o mesmo apreço. Cuidar, sinônimo de curar, zelar, vigiar: é o que eu quero fazer pelo meu jardim, pelas pessoas importantes da minha vida, pela nossa cadelinha Flor, pela nossa casa, por mim.

Eugenia spreguelli trabalhada por Claudia Penteado. Foto depois das etapas de aramação, tencionamento e poda.

DSC05491

O cuidado que demanda um Bonsai é o mesmo que se deve ter com as relações e o que nos cerca. Esse é um dos muitos paralelos valiosos entre essa prática milenar e a vida.

De coração quente, sigo no meu confronto mensal com os deuses. Mas daqui para frente, sem querer combatê-los, e sim aprender com eles. Como sou da turma do improviso – e jamais serei a pessoa mais organizada e metódica do mundo –, ainda não escolhi minha próxima aventura.  Claudia Penteado.

Todo mês Claudia Penteado, vai buscar uma nova arte, vai escrever sobre uma experiência diferente, e publicar no site da revista Época suas percepções.Essa matéria sobre o Bonsai e Penjing foi apenas um começo de suas novas experiências, vale a pena conferir todas que ela irá buscar..

Claudia Penteado e seu marido Flavio Cordeiro

DSC05535

DSC05517

DSC05457

O Cavaleiro Templário

Posted in Bonsai - Meus Trabalhos, Bonsai - Penjing e Yose ue with tags , , , , , on 3 d e fevereiro d e 2014 by aidobonsai

O cavaleiro Templário

Miniatura feita em resina com altura de 7cm. Fotos tiradas em Penjing criado com 15 Eugenias sprenguelli, hoje com idades entre 15/27 anos.  Gosto de tirar fotos de figuras nos Penjings  (paisagem miniatura), pois ajuda a olhar a proporção e o desgaste dos troncos das árvores.

DSC05692

Penjing  “O caminho do Templo”   nessa paisagem foram tiradas as fotos a baixo.

dsc05675

DSC05701

Jarros de pedra com 1cm de altura, Buga com 8cm de altura (bronze).

DSC05689

Penjing    “As águas de Kioto”

DSC07804.1

DSC05676

DSC05686

DSC05666

Entre e veja mais fotografias do treabalho:

Continue lendo

O caminho do Kenjutsu – Penjing

Posted in Bonsai - Meus Trabalhos, Penjing Brasil on 26 d e novembro d e 2013 by aidobonsai

DSC04911

Aqui um trabalho realizado com um Ficus benjamina. Essa árvore eu peguei em 1994 no Bon Marché da barra em uma caçamba de lixo. Ela tinha 2 metros de comprimento e eu reduzi para 70cm.

DSC04883

Hoje ela está plantada em uma lage de pedra São Tomé. Sua copa foi recriada ao longo de 8 anos.

DSC04876

Lutadores feitos em resina. Altura 30cm

DSC04894

A sua base não tinha nenhuma raíz exposta, hoje ela está com o Nebari bem definido.

DSC04896

DSC04874

O caminho da técnica da espada.

Kenjutsu, em tradução literal: “Técnica da Espada”, é a arte marcial japonesa clássica do combate com espadas. Pode também ser chamada de kendo ou heihô/hyôhô , entre outras denominações possíveis.

Ken -Espada           Jutsu – Técnica

461px-Drawing_-1by-_Antonio_LaMotta_founder_of_Shinobi_Kai_Kenjutsu

Existem vários estilos de kenjutsu. Os primórdios da arte remontam ao período Kofun da história japonesa, com registros sobre o Kashima-no-Tachi , ou “espada de Kashima”, supostamente ensinada aos soldados Sakimori , que eram destacados para proteger as fronteiras contra as ameaças externas do Japão.

DSC04867

A evolução do kenjutsu se deu basicamente na região de Kashima, Ibaraki, onde havia sete estilos sob a supervisão de sete sacerdotes xintoístas, e na região de Kyoto, onde havia oito estilos sob a supervisão de oito monges budistas.

DSC04893

 

Ken – Espada      Dô – Caminho = KENDO           “O caminho da Espada”

maai

DSC04873

DSC04912

Entre na galeria e veja mais fotografias do trabalho ” O caminho do Kenjutsu”

Continue lendo

Penjing “O Kati do Céu”

Posted in Bonsai - Concreto celular, Bonsai - Meus Trabalhos with tags , , , on 11 d e novembro d e 2013 by aidobonsai

DSC04479

Penjing criado usando 6 elementos:

Elemento 1    -   Eugenia sprenguelli

DSC04294

Elemento 2    -  Pedra modelada em concreto celular  com curvatura para se encaixar no vaso e no bonsai. A pedra foi modelada com uma retífica Dreamel usando uma ponta redonda de 2cm.

DSC04299

Elemento 3  - Figura de um monge Shaolin fazendo um Kati de Kung Fu com um  Bagua Dao (Facão) . Figura em Cerâmica com  12cm  de altura.

Quando achei essa figura de cerâmica em Brasília, tive a vontade de fazer um trabalho no estilo do filme  “O Tigre e o Dragão”.

DSC04302

 Elemento 4 – Bromélias   “Rabo de lagartixa”

DSC04340

Elemento 5 e 6  - Pedras complementares feitas em concreto celular, já envelhecidas pelo tempo e humidade.

DSC04301

DSC04350

Montagem do trabalho:

Encaixe da pedra no vaso principal e no Bonsai.

DSC04308

DSC04312

Vaso já com a pedra no seu lugar.

DSC04313

Pedra com a figura de cerâmica na posição. Passei betume na base da Figura de cerâmica, para deixar a coloração igual ao do concreto celular.

DSC04344

DSC04335

Bromélia posicionada atrás do pé direito na fenda da pedra para dar profundidade.

DSC04348

Outra Bromélia foi posicionada em outra fenda a esquerda em primeiro plano. Essas fendas tem perfurações com tela, para segurar aterra e permitir o escoamento de água.   Musgo colocado na superfície da terra faz o acabamento e ajuda a dar naturalidade e envelhecimento no trabalho.

DSC04374

DSC04362

Essa Eugênia ainda está em modelagem, sua copa vai ficar com patamares bem mais definidos. 

DSC04448

DSC04382

Esse trabalho vai ser transferido em janeiro para um suiban de madeira onde será adicionado mais dois bonsais e 5 pedras. 

DSC04388

DSC04458

DSC04438

DSC04400

DSC04354

Aido Bonsai a noite. Ao fundo Tokonoma com Buda, Boken e Guardiões.

DSC04490

Entre na galeria e veja mais detalhes do trabalho  ” O Kati do Céu”

Continue lendo

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 540 outros seguidores